Palavras que carinhosamente se reproduzem na alma e
depois repousam, sossegadas na minha mente.
Sobre etéreas pétalas de flores adormecem perfumadas ...
amadurecem e vestem-se de cores divertidas.
E pela minha mão nascem... só para ti.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Há coisas que não entendo...


Não entendo como se compreende a mente das pessoas.


Pior. É difícil conhecer o coração delas.


As faces, os olhos, as expressões faciais e corporais, e finalmente as palavras, vão dando sinais. Mas depois vem a interpretação (que não é mais do que adivinhar o que se passa lá pelo interior das cabecinhas dos que nos rodeiam).


Interpretar é o que fazemos intensivamente todo o dia. Por circunstãncias várias, a maioria delas alheias á nossa vontade, muitas vezes falhamos os sinais e a relação entre eles e depois... sai um julgamento errado, um mal-entendido.


Que grande ferimento de alma isso pode provocar.


Com muito carinho e muita orientação divina lá conseguimos chegar ao difícil desenvencilhar do novelo. Ao desvanecer do breu que cobriu momentaneamente (ou não) a nossa vidinha. Ao clarear do nosso céu.


E rimos de novo. Primeiro timidamente, como se não quisessemos espantar a alegria. Depois, como um bebé que gatinha, esticamos as pernas e de pé gargalhamos sonoramente até que todo o mundo saiba que estamos felizes de novo.


Obrigada a todos os amigos que fazem um esforço para me aceitar tal como sou.

2 comentários:

susana disse...

Quando as palavras ou atitudes de alguém nos magoam tanto, é bom sinal... é sinal que esse alguém já está guardado num cantinho cá dentro e já assumiu importância suficiente para nos fazer chorar...

Abigail Macedo disse...

Como alguém disse: "As lágrimas são o resultado de um coração que é espremido". Quando são verdadeiras, revelam a alma de alguém, sem barreiras, nem muralhas. E não há nada mais belo do que uma linha simples e direita que liga duas pessoas, sem nós ou retorcidos de qualquer espécie.
Beijinho grande "amiga Susana".