Palavras que carinhosamente se reproduzem na alma e
depois repousam, sossegadas na minha mente.
Sobre etéreas pétalas de flores adormecem perfumadas ...
amadurecem e vestem-se de cores divertidas.
E pela minha mão nascem... só para ti.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

?????


Há uns meses atrás, depois de uma troca de palavras com uma querida amiga, escrevi o seguinte texto:

"Uma amiga minha está à procura da felicidade.

O quê?

Desculpem, eu disse UMA amiga minha?

Errado. MUITAS amigas minhas. E amigos.

Pensem lá comigo. Quando eram crianças, bem pequenininhos, eram infelizes? Acho que não. Mesmo quando apanhavam um ralhete, caíam, se magoavam. Então porquê todo este drama agora? Eu acho (não sou nenhuma autoridade no assunto, mas nunca me lembro de ter sido infeliz) que a felicidade é a pele nua da nossa própria alma. Ou seja, o seu estado puro. Desde criança que vamos deitando entulho para dentro de nós e "abafamos" completamente a nossa felicidade. No primeiro dia em que nos apeteceu esganar alguém, em que cerrámos os dentes e sentimos um fogo na cabeça que só passou, ou passaria, se nós dêssemos um valente pontapé em alguém, ou alguma coisa, que começámos a construir uma lixeira de lixo emocional dentro de nós próprios. A felicidade ficou lá no fundo, lembram-se.

O "eu" é muito mais importante do que qualquer coisa que se passe à nossa volta. Não podemos deixar que nada, nem ninguém conspurque (ah palavra assanhada!) este estado de alma puro (sabem? aquele de que alguns poetas falam).

Deus fez-nos para sermos felizes. Ele fez-nos para gostarmos muito de nós próprios.

Lembram-se do grande mandamento de Jesus: "Ama o teu próximo como a ti mesmo". "Como a ti mesmo". Perceberam ? Ele quer que nós nos amemos a nós próprios para podermos amar os outros e assim sermos felizes.

Estamos sempre a procurar motivos para sermos infelizes. Ficamos infelizes com aquilo que tem solução e/ou com o que não tem solução também. Esquecemo-nos de nos "aquietar".Está na altura de apreciarmos bem o que temos e não inventar mais desculpas para querer o que não temos e fazer depender disso a nossa felicidade.

Como eu disse à minha amiga: Não queiras as estrelas, se não levas com as pedras da calçada. Mas se quiseres as pedras... fazes um lindo "castelo". O poeta tinha razão, certo?

Mas isto sou só eu a falar. Quem sou eu para dar lições de felicidade como se fossem de matemática ou até, ou até, de língua portuguesa?Ninguém! Sou apenas um ínfimo, muito ínfimo, ser deste Universo que nunca deu uma oportunidade à tristeza, ao desânimo, enfim à infelicidade. Sou apenas uma pessoa feliz.

E, como dizia o Raúl Solnado, "façam o favor de ser felizes", ok? "

2 comentários:

guitar pro disse...

Gostei muito Abigail. Achei o texto muito bonito, "carinhoso"...
Pensei que se as pessoas lessem o seu poema, viam a vida doutra maneira e passariam a ser pessoas melhores


Rui Diogo

Sublime Serenidade disse...

Obrigada, Rui Diogo.
És um rapazinho muito especial. Muito sensível e atento aos sentimentos dos outros.

Hás-de ter sempre um lugar especial no meu coração.

Um abraço grande
Abigail